quarta-feira, 30 de março de 2011

Colhendo o Instante

Quantos trejeitos, traquejos e preceitos
Para tentar se equilibrar e não cair
Na vala comum das ironias, dos afeitos
Mas que um dia já tomaram para si

Todas as frustrações engolidas à seco
Arranhando as decisões antes tomadas
Se esgueirando tortos entres os becos
Das expectativas que supuram inflamadas

Sem tempo para se esquivar do revés
Dado por velhos contribuintes
Sem tempo para achar qualquer viés
Algo mais terno que um acinte

Lascívia destes tão miseráveis esforços
Acuda-me enquanto ainda é hora
Sem arrancar da frente meus feitos
Sem me tirar da boca o agora

Espaço "Johnny Depp" (Especial)

Black "fucking" Gold!
Chora!

quarta-feira, 23 de março de 2011

2012

Ao vencedor as baratas, Quincas!
Foi isso o que se ouviu
Para a paz de Gregor Samsa
Que não vê mais ninguém!

terça-feira, 22 de março de 2011

Obama Nas Alturas

Enquanto de alma cifrada
E abluído pela saliva negra.
Minha deficiência autárquica
Será corrigida com juros,
O teu ignóbil sangue
E meus alucinados interesses

Kaboom, motherfucker!

domingo, 20 de março de 2011

Farinha Láctea


Todos os direitos reservados
Não quero afoga - la, não quero perde - la.
Eu hei de guarda - la no fim da gaveta.
É pra que ninguém, muito menos eu mesmo, ache a de novo.
E assim, os pedaços

Resquícios de doçura

Quiça nutrirão algo mais nobre que o amor que a ti dediquei.

Traças e baratas, talvez.

sábado, 19 de março de 2011

CHORA

 
malvados.com.br

sexta-feira, 18 de março de 2011

Abre as Asas Sobre Nós

Hoje tu percebeste que recresceram as suas asas
Não é passarinho?
Sentiste o vento que te revela maior do que nunca
No peito liberto, os rumos antes estorvados

É tão bom olhar para frente e ver tudo lá
Não é passarinho?
Tão consistente, tudo o que você pode pegar
O que na alvorada o horizonte te traz, tão mais.


É passarinho!
Hoje lembraste que podes voar
Então voa filho da puta!
Voa!

Que é vida isso que cantas!
Que já era hora de voltares a cantar!

quinta-feira, 17 de março de 2011

Heartless


Pra quê?
Se eu sei que vou cair
Se sei que vou me foder
Nessa banalização
Onde dizem te amo
Mesmo sem te amar

Pra quê?
Que nome eu dou a isso?
Porque não é a Paixão
E muito menos o Amor
De Camões, Vinícius
Neruda, Drummond



Pra quê?
Se ele se transformará
Em raiva ou em rima
Como Leminski já disse.
Se ele não é pleno
E sim volátil, tropeça alí
Por orgulhos, tolices
E tropeça de novo
Na mão podre do ser humano
"Amor" vencido, dividido em dor
Um Midas que tudo toca e vira profano

Pra quê?

"Prefiro morrer aos poucos com meus vícios do que de uma vez com uma paixão" (Ádamo Murilo Moscon)

"Vi um coração no lixo sendo devorado pelos urubus."
(Senhorita K... http://certascancoesqueouco.blogspot.com)

quarta-feira, 16 de março de 2011

Feliz 2011!!

Sim, pois agora que a folia de Momo ficou definitivamente pra trás é que podemos dar início aos trabalhos do ano da graça de 2011. Ou você ainda acredita que é o espocar de luzes e sons, espetáculo situado principalmente nas badaladas areias de Copacabana que nos dá o sinal para o começar de mais 365 dias de intensidade e paixão?

Aliás, assim como para mim, tenho certeza que o ano que fica pra trás foi assim como uma espécie de inferno astral para cada um de nós. Quedas, tombos, derrotas e outras tantas desilusões que, quem ouve, senta e chora. Mas tudo isso, como tudo o mais, passou. E aí, a assoprar a nossa fagulha de esperanças renovadas num feliz e próspero ano novo o que temos? deslizamentos, enchentes, tsunamis, terremotos e até vazamentos nucleares. Tsc, relaxa. Dá nada não, negão! O ano está apenas começando.

É chegada a hora de definir as diretrizes do nosso ano. Quem será você no que nos resta de folhinha? Dia desses, olhando uma "AGazeta" de anteontem me deparei com um tal de J. Gatsby que indicou o ótimo vídeo "Inside the 3rd world - The homo capixabensis" (Algo como "Por dentro do terceiro mundo - o homo capixabensis"). Desde já fica o meu parabéns não só para os alunos da UFES responsáveis (os créditos estão na postagem, que conta ainda com legendas. Vale muito a pena conferir) mas para o próprio Gatsby. E fica a reflexão. Você quer ser, de novo, mais um homo capixabensis com sua velha síndrome de cachorro vira - lata? Ou vale a pena fazer desse ano uma tentativa de crescer, ser melhor, parar de balangar beiço e fazer só um pouquinho por onde? O link pro vídeo tá aí embaixo.

Então feliz ano novo. Aproveite como se fosse o último da sua vida (se depender dos Maias...).

http://www.youtube.com/watch?v=rls1JcWenTc&playnext=1&list=PL94946024614D9C3B&oref=http%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fresults%3Fsearch_query%3Dhomo%2Bcapixabensis%26aq%3Df&has_verified=1

Brusca Busca

Vamos marchando a passos curtos, tentando evitar o inevitável. Somos essa multidão sectária com seus relicários recheados de diferentes origens idênticas. Esmiuçado querer, quinhão.
As linhas de nossos cadernos estão todas preenchidas, marcamos todas as alternativas. Somos pêndulos oportunos por temermos nossos fados; pobres corpos dóceis cantando suas súplicas, tão legisladas, ululantes, esperando alguém ouvir, esperando alguém chamar.
Tudo arranha demais sem o amor!
Ah o amor; com seus olhos soberanos, com seu sopro repentino, escolhendo a dedo o caos, escolhendo a dedo a vida!
Tsc... Merda! Já estou eu falando do amor outra vez. Até me perdi do que dizia.
Acho que era uma crítica negativa a certas invenções criadas por nós, seres tão carentes de sentido ("Viva a falta de sentido da busca do sentido" Woody Allen).
Ah deixa para lá! Fica assim então: Redenção, céu de papel, gosto de fel, do amor, confesso, sou réu.

Mas sim o da personificação, daquele que eu posso enxegar.
Amar é crer, mas crer, sozinho, não é amar.

domingo, 13 de março de 2011

Homenagem




O post do presente momento ocorre em função do post anterior.

sábado, 12 de março de 2011

Para Amanhã

Cansei de olhar para a tua sombra em gestos cheios de sarcasmo. De viver, irremediável, por você, sobre as pedras, tentando não incidir desta muralha, nos já vencidos lá embaixo; tão arrependidos de si, em palmas e coros, armando bombas de pílulas e cápsulas numa tentativa de retorno debalde.
Eu não quero mais te ver e ter de lembrar minha sina. Em 8 minutos achar te esquecer e devolver tudo em um adeus ou quando alguém me pergunta que horas são.
Eu sei que é inútil, Tempo! E que amanhã me vencerás como sempre vences. Porém, desta vez, sua façanha será ainda mais distinta. Pois verás neste corpo aniversariante, nesta mente vacilante e coração ofegante, aquela antes, tão extasiante certeza da imortalidade, lembrada agora, apenas nas reuniões de amigos, nos 8 minutos e nos sonhos engarrafados.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Lei de Gerson


Resiste e existe, não para, só vive....
é incrível como existem... estes e aqueles...coronéis Ubiratans
auto afirmando-se mesmo após velhice

nem o vento forte vai salvá-lo
nem mesmo por anos vendo o tempo passar, é certo, isso não vai acalmá-lo
absolutamente afastado do chão
mas tão perto dele, que o mesmo não se sente

Chamando o cão de monge, o peixe de gente
não raro, apenas ele os vê, todos … big fish ou dead fish... pé grande ou tenho pica grande
não pensa em ver o sol raiar, só goza de prazer ao passo do seu gogó vacilante

para ele, a “lei de Gerson” vem a calhar
canalha solitário, todo mundo te vê, no entanto
apenas ele: coronel Ubiratan, finge a ilógica do - “eu, só eu, sempre serei vencedor!”
Contudo todo mundo vê... todo mundo te vê... vê o que você é ou o que parece ser.

terça-feira, 8 de março de 2011

Espaço Johnny Depp


Em homenagem ao dia internacional da mulher.

A mulher companheira

Se à deriva, uma estrela
Se enlutado, a paz
Se estou triste, me chora
Se alegre, chora mais

Amiga, incesto, irmã
Te chamo somente mulher
Linda deusa pagã
Sou dela o que ela quiser

Aquela a quem chamo amada é tudo
E não é nada. O amor se faz no amar

Aquela a quem chamo amada não é mais que o carinho que
a ela eu possa dispensar

Para Elas

São por elas que vimos
Que fomos, vamos e iremos
Por elas, tão mais, tão belas
Quintessência de uma evolução
Atravancada nestas torpes mãos

Mal sabem elas
A propriedade de seu poder
E como sinédoque somos,
A parte pelo todo que é a mulher

Costelas não, coração!

domingo, 6 de março de 2011

Mais Um

É com D o meu desejar:

D de dança
D de defesa
Delatado dano
Dardejante dissolução

D'amor decaedro
Deusa determinada
Deslumbrante decreto
Dantesca dilação

É com D o meu desejar:

Mais D meu definido
Muito mais D que dimensão

Canaval aê!



É escolher sua fantasia e correr pro abraço...

sábado, 5 de março de 2011

Winning Eleven!

Clique na imagem para ampliar
Melhor visualização? Clique aqui

sexta-feira, 4 de março de 2011

O meu também é Carnaval

Hoje faremos nosso carnaval
Com enfeites da sede do ser
Com flor unipétala bem-querer
Penetrada por poucas promessas
Só um agora e quiçá amanhã
Um mal-me-quer alegórico
Fantasiado selvagem titã
Que tem na carne o aval da besta
E o sangue quente da gente
Ferve a avenida da nossa ilusão

Ê, coração!

quinta-feira, 3 de março de 2011

Meu coração é Carnaval

Meu coração é carnaval. Nele pulam, pululam mil passantes, mais de mil passistas.
Meu coração é carnaval, de bloco. Não de concreto, ou nada assim tão sólido. Não.

Meu coração, tão cansado de bater, só serve mesmo é pra apanhar...
Ele é menos da multidão que da minha musa. E se essa musa, se essa musa, se essa musa fosse minha, traduzi-la ia num bosque, que se chama, que se chama solidão.
É que meu coração é Carnaval, mas o cordão é bem restrito.

Delas

Minha kryptonita
Meu ponto fraco
Apostasia garantida
Num dia que não parco
Abusa desta alma suja
É duo que canta a noite
O lídimo do portento acaso
E o resto é arquejo, açoite
A cerveja e você!

quarta-feira, 2 de março de 2011

Les Amants


Esperarei no local de costume na hora marcada

Ainda sinto o gosto do seu corpo que me lembra nosso último encontro

Seu cheiro não sai de mim

Preparei uma surpresa para amanhã

Espero que goste



Um segredo preciso confessar

Às terças nem durmo direito

Rolo na cama a noite toda pensando no nosso encontro sagrado de todas às quartas-feiras

Você quebra meu tédio do meio da semana

Tento disfarçar tamanha ansiedade

Mas nem sempre consigo

Minha transparência me delata


Agradeço sua compreensão, paciência e por não me pressionar a Deixá-la tão rapidamente

Isso vai acontecer

Mas na hora certa

É verdade, a mais pura


Sei que seu noivo não merece isso,

Nem tão pouco minha esposa

Mas nosso pecado é permitido

E quem nos abona é o amor.

terça-feira, 1 de março de 2011

Créme de la créme

video

Tupá tupá tupá pá... Tupá tupá tupá pá...